O dia em que a Toyota criou um carro esportivo e não sabia o que fazer com ele

page1

Por que um grande fabricante faz um superesportivo? Lucro é o último motivo, geralmente fazem para comemorar uma data importante, mostrar tudo que a engenharia deles é capaz ou apenas para revigorar a imagem, trazendo mais pessoas para o showroom. Fazer um superesportivo serve também para provar a qualidade de um fabricante novo em ascensão. Continuar lendo

Goes Like Hell

Imagem

No final dos anos 70 o preço da gasolina não parava de subir e os fabricantes norte-americanos continuavam fazendo carros grandes com motores de 6 e 8 cilindros (que estavam cada vez menos eficientes por causa das leis antipoluição), enquanto isso carros econômicos europeus e japoneses invadiam o mercado. A primeira das 3 grandes a reagir foi a Chrysler, que lançou em 1978 o Dodge Omni (e seu primo Plymouth Horizon), um carro compacto inspirado no Golf desenvolvido por sua divisão européia, a Simca. O Omni seguia a mesma fórmula básica de outros carros europeus, era um hatchback de 4 portas com motor transversal, tração dianteira, suspensão McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, o motor era um 4 cilindros em linha de 1,7 litro de 76 cv e 11,3 kgf·m fornecido pela Volkswagen e o cambio podia ser manual de 4 marchas ou automático de 3. Em 1981 passou a ser oferecido como opcional o motor de 2,2 litros desenvolvido pela Chrysler para os k-cars (Dodge Aries e Plymouth Reliant). Continuar lendo