O dia em que a Toyota criou um carro esportivo e não sabia o que fazer com ele

page1

Por que um grande fabricante faz um superesportivo? Lucro é o último motivo, geralmente fazem para comemorar uma data importante, mostrar tudo que a engenharia deles é capaz ou apenas para revigorar a imagem, trazendo mais pessoas para o showroom. Fazer um superesportivo serve também para provar a qualidade de um fabricante novo em ascensão. Continuar lendo

Apresentando o inesperado… Ford Mustang!

mustang_coupe_2

No dia 17 de Abril de 1964 os Estados Unidos parou diante do lançamento de um novo carro. Sua apresentação foi na Feira Mundial de Nova Iorque, no dia anterior um comercial foi veiculado no horário nobre da televisão e ele foi pace car de uma corrida da NASCAR. O carro era pequeno e tinha linhas esportivas de influencia européia, o preço era apenas 2.368 dólares. A sua produção tinha começado em 9 de Março, no dia do lançamento, em Abril, todas as concessionárias do pais já tinham recebido o carro. Essa foi uma jogada de risco do executivo Lee Iacocca, o lançamento de um carro pequeno nos EUA dos anos 60 podia ser um tremendo fracasso ou um grande sucesso. No primeiro dia foram vendidas 22 mil unidades desse carro, em muitas cidades as unidades de pronta entrega foram disputadas a tapa. Em Garland, Texas, os carros foram vendidos tão rápido que o último foi leiloado e o vencedor dormiu no carro até o banco aprovar o seu cheque no dia seguinte para garantir que outra pessoa não comprasse o carro. Qual é o nome desse carro? Ford Mustang Continuar lendo

Goes Like Hell

Imagem

No final dos anos 70 o preço da gasolina não parava de subir e os fabricantes norte-americanos continuavam fazendo carros grandes com motores de 6 e 8 cilindros (que estavam cada vez menos eficientes por causa das leis antipoluição), enquanto isso carros econômicos europeus e japoneses invadiam o mercado. A primeira das 3 grandes a reagir foi a Chrysler, que lançou em 1978 o Dodge Omni (e seu primo Plymouth Horizon), um carro compacto inspirado no Golf desenvolvido por sua divisão européia, a Simca. O Omni seguia a mesma fórmula básica de outros carros europeus, era um hatchback de 4 portas com motor transversal, tração dianteira, suspensão McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, o motor era um 4 cilindros em linha de 1,7 litro de 76 cv e 11,3 kgf·m fornecido pela Volkswagen e o cambio podia ser manual de 4 marchas ou automático de 3. Em 1981 passou a ser oferecido como opcional o motor de 2,2 litros desenvolvido pela Chrysler para os k-cars (Dodge Aries e Plymouth Reliant). Continuar lendo